Fechar

Nos querem Eva, mas nascemos Lilith

Publicado por:
Tailaine Costa
0

Há alguns dias, meu companheiro, que é teólogo, me contou sobre um conto hebraico – do qual eu nunca tinha ouvido falar. O conto era sobre a primeira esposa de Adão, Lilith, quem, não aceitando se subordinar aos mandos do esposo, abandonou o paraíso. Intrigada com a história, e indignada por nunca ter ouvido falar, pedi para que me contasse mais. Ele me disse que umas das versões contadas afirma que Lilith se transformou em serpente para libertar Eva do domínio de Adão. Olha só, afastando a ideia – ilógica – de que mulheres estão em constante disputa entre si.

Buscando mais sobre a personagem, existem várias versões, algumas que afirmam ter Lilith se transformado em demônio, como uma forma de demonstrar que apenas sobra as Trevas para as mulheres que se rebelam. Outros afirmam que ela se relacionou sexualmente com demônios e deu origem a outras criaturas das trevas. Porém encontrei um texto que faz uma narrativa de uma amizade celebrada entre Eva e Lilith, conta como elas compartilharam lágrimas e sorrisos, pois Eva, que se sentia sozinha, encontrou uma semelhante, uma mulher que não aceitou o destino imposto e lutou, mas que além disso, estava lá para dar apoio a suas decisões.

No conto hebraico, Lilith é igual a Adão, pois vieram do mesmo barro, inexistindo diferença entre eles. Lilith teria se rebelado pois se recusava a ficar sempre por baixo nas relações sexuais, algo que pode ser interpretado como dominação. Afinal, é um conto, repleto de metáforas e anedotas. Lilith não aceitou ser dominada. Ao se rebelar, Lilith é expulsa do paraíso. Interessante que os escritos trazem a figura do Deus criador como um homem, talvez na tentativa de justificar a supremacia masculina. Como disse, os textos antigos são repletos de metáforas e ler nas entrelinhas, a partir do contexto histórico e social, é imprescindível.

Diante desta descoberta, pensei em como um conto pode interferir tanto na construção de quem somos. A imagem de mulher, a nós imposta, tem como padrão aquela que foi criada a partir da costela de um homem, que precisa de alguém do sexo oposto para alcançar a felicidade e que é a imagem do pecado. Não podemos esquecer que o exemplo de mulher deve ser a “bela, recatada e do lar”. Afinal, a versão mais conhecida relata que foi Eva, a mulher, que primeiro caiu em tentação e induziu seu parceiro, Adão, a provar do fruto proibido. Assim, quando deixamos de “bela, recatada e do lar” trazemos a desgraça a quem nos rodeia. E à pobre da Eva é imposta a culpa do mundo.

Quando soube de Lilith me encantei pela personagem, pensando na função dos contos na cultura antiga é impossível não perceber que Lilith foi escondida, ou readaptada, para impor medo às mulheres, estabelecer padrões de conduta. Outras personagens ligadas à religiosidade ao longo dos anos também foram ganhando roupagens moralistas. Pensem em Maria, mãe de Jesus, apesar de ser retratada como a Virgem, imaculada, que fica aos pés de seu filho, ela foi uma mulher muito guerreira, que teve que quebrar muitos tabus da época.

Se Lilith foi de fato uma mulher que não quis se sujeitar e quando viu sua semelhante, Eva, sofrer tentou ajudar, acho que devo ser descendente dela, assim como tantas outras que conheço e que estão espalhadas pelo mundo.

E durante o amadurecimento desta história, vida que anda e que segue, o país se depara com uma série de notícias de agressões contra mulheres, algumas letais, mas todas que chocam. O fato mais curioso é a omissão diante do pedido de socorro. O caso da advogada Tatiane, de Guarapuava, demonstra minutos de uma briga entre duas pessoas, tentativas de fuga, sem que ninguém intervisse, ou tentasse ajudar. Lendo orientações sobre como nós mulheres devemos nos precaver, uma das recomendações é que quando nos sentirmos ameaçadas, gritarmos “fogo”, assim as pessoas irão verificar o que aconteceu. Ilógico, surreal e triste.

A cada dia, mais e mais mulheres são expulsas do “Jardim do Éden”. Seja com a própria vida ou com a exclusão social. Mulheres julgadas pelo que escolheram ser, condenadas pelas opções que fizeram. E, a cada dia que passa vejo que a caminhada só é possível coletivamente. Apesar da suposta competitividade constante entre as mulheres, que tentam nos impor, percebemos que isso é apenas um artifício para tentar impedir a união das mulheres, mais um elemento do machismo e do patriarcado. Precisamos adquirir consciência de nosso papel na sociedade e da nossa capacidade diante da coletividade. Seja do lar, seja do bar, ser e tornar-se mulher é um ato de afronta ao sistema atual. Esta luta é pesada para se carregar sozinha, o fardo pesa nos ombros, contudo, quando compartilhada, tal como Eva e Lilith, podemos dividir as doçuras e amarguras do caminho. Não se deve esquecer que até podem nos querer Eva, mas nascemos Lilith.

 

_______________

* A Fala acolhe a expressão de cada uma. As autoras do blog não interferem nas opiniões externadas, bem como nas escolhas das colaboradoras quanto ao uso da linguagem, ao estilo de escrita, à gramática e à sintaxe. A revisão feita é meramente técnica, para correção de eventuais erros de digitação, todo o resto é tratado como opção de estilo da autora

Sobre a autora
Tailaine Costa

Feminista em construção. Mulher em busca de uma sociedade mais igualitária. Acredita que o céu é o limite para os sonhos. Apaixonada por política. Amante de boas discussões. Encantada, por necessidade, pela resistência.

Outros posts
NÃO VER COMENTÁRIOSVER COMENTÁRIOS