Fechar

Exibindo resultados para: Gabriela Freitas

17. jul, 2017
2

Eu tive uma infância que, com certeza, seria aclamada pelos nossos “padrões sociais”. Tive todas as Barbies possíveis, fiz aulas de ballet e de piano, gostava de esmaltes e batons, não subia em árvores, não corria pelas ruas e nem gostava de praticar esportes. Pronto, eu estava “salva”! Tinha alcançado o modelo perfeito para ser a menina ideal: feminina, vaidosa e, principalmente, heterossexual.

Mas onde foi que tudo “deu errado” e eu me descobri, aos 28 anos de idade, apaixonada por uma mulher?

Destaques